Educação

Segundo a LDB, "a educação, dever da família e do Estado, inspirada nos princípios de liberdade e nos ideais de solidariedade humana, tem por finalidade o pleno desenvolvimento do educando, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho."



Educação para a democracia: alguns princípios

Um esforço sempre presente à prática da autoridade coerentemente democrática é o que a torna quase escrava de um sonho fundamental: o de persuadir ou convencer a liberdade de que vá construindo consigo mesma, em si mesma, com materiais que, embora vindo de fora de si, sejam reelaborados por ela, a sua autonomia. É com ela, a autonomia, penosamente construindo- se, que a liberdade vai preenchendo o “espaço” antes “habitado” por sua dependência. Sua autonomia que se funda na responsabilidade que vai sendo assumida.” Paulo Freire1

Leia mais...
 

Educa quem ama o mundo

Acabei de ler um belo artigo no site da Carta na Escola. Chama-se "educação existencial", e foi escrito por Dulce Critelli. Trata de um aspecto mais amplo da atividade escolar - o exemplo de ser humano que os professores são, de uma forma ou de outra, para o aluno. Diz a autora:

"A relação que tivemos com nossos professores e aquilo que com eles aprendemos, atenta ou distraidamente, molda nosso ser. Determina nossos sonhos e aspirações, tanto quanto nossos interesses e comportamentos mais corriqueiros. São nossos primeiros modelos e, assim como nossos pais, nos aparecem como aquelas pessoas que gostaríamos (ou não) de ser."

Sábias palavras. E esse tipo de coisa não se ensina falando, com textos ou questões de lição de casa. Só se ensina dando exemplo. De pouco adianta ao professor se esforçar para ensinar um sonho que ele próprio não busca, que não acredita de fato.

E o artigo termina com este belo parágrafo:

"Já ouvi muitos educadores perguntarem sobre “que mundo estamos deixando para nossas crianças”. E ouvi outros perguntarem sobre “que crianças estamos deixando para o mundo”. Ambas inquietações se complementam. E ambas só podem ser respondidas, não com teorias, mas com exemplos. O mundo será o que fazemos dele agora. E nossas crianças seguirão o exemplo de nossas ações atuais.
Portanto, se quisermos ser educadores, temos de tomar uma decisão sobre uma questão fundamental: “Se amamos o mundo o bastante para assumirmos a responsabilidade por ele...”

 

Qual é o papel do educador?

Mais algumas palavras dos mestres. Este foi meu professor de biologia no Colégio Equipe. Graaaande professor!

Qual é o papel do educador na sociedade? Palavras do Maurício, retiradas de um blog de uma outra ex-aluna sua. Lembro-me de tê-las ouvido no cemitério israelita, entre lágrimas, dia 13 de outubro. Isto porque o velho mestre de barbas brancas aproveitou para ir-se justamente no dia do professor.

"Ficamos muito, e durante muito tempo, preocupados com o ensinar.

A nossa tarefa é outra.

Nossa tarefa é propiciar ao nosso aluno oportunidades planejadas que favoreçam o desenvolvimento de capacidades, habilidades e atitudes que o transformem num cidadão.
Esta dimensão, a dimensão política do nosso fazer deve ser resgatada para justificarmos a nossa presença como categoria profissional.


Favorecer a transformação de crianças egocênricas em cidadãos é a função social que nos distingue das demais e da qual não podemos abrir mão sob pena de continuarmos sendo uma corporação anacrônica de doadores de aula, substituíveis por qualquer tio de plantão.

Uma vez, um velho rabino disse que os professores começam ensinando o que não sabem, depois de algum tempo ensinam o que já aprenderam, depois de mais algum tempo ensinam o que é importante e só depois de muito tempo percebem que sua tarefa não é a de ensinar mas a de criar condições para que os alunos aprendam.
Era sábio o velho rabino"


( Extraído do texto "Avaliação" do professor Mauricio Mogilnik)

 

Pra que serve a educação?

Uma pergunta que pode ser óbvia, vazia, desagradável, estimulante ou esclarecedora, dependendo da pessoa. Como professor, não consigo prosseguir meus dias sem pensar nela de vez em quando. E tem sido cada vez mais estimulante e esclarecedor, embora sempre um pouco desagradável.

Há muitas maneiras de responder esta pergunta. Se buscarmos na internet, será dificil encontrar algo de realmente esclarecedor. Claro que deve ter muita coisa boa - o difícil é filtrar a grande quantidade de "pseudo-informações".

Quando lemos os objetivos educacionais/pedagógicos de uma escola qualquer , encontramos sempre mesma coisa. Frases de efeito. Tal como na LDB (veja o texto do prof. José Sergio). Frases que não estão erradas, são até muito bonitas. Mas que de tão vagas, acabam não ajudando muito nas questões e contradições da prática escolar cotidiana.

Mesmo o Instituto DNA Brasil, que reúne bons profissionais e produz publicações interessantes (eu, pelo menos, gostei do livro “DNA Educação”), não consegue sair das frases de efeito. Como no trecho abaixo, proveniente de um debate em torno da questão “pra que serve a educação”:

Não existe ensinar. O aluno deve aprender a aprender, e sozinho, porque é isso que ele fará o resto da vida (...)

a educação deve ser responsável pela formação de um pensamento crítico, e todos concordaram que ela deve ser responsável pela formação pessoal e humanista dos futuros cidadãos do país.

Como fica o professor frente a estas afirmações? Que significado dará às suas ações diárias? A forma com que cada um imagina a finalidade da educação é o que dá sentido à prática escolar cotidiana. Afinal, pra que serve a educação? Eis uma questão difícil. Vejamos uma outra abordagem possível. Para que a educação não serve? O que não queremos que a educação produza? Esta questão já foi feita por muitos grandes pensadores. Destaco aqui, para finalizar, um belíssimo texto de Adorno, retirando dele alguns trechos para tornar mais fácil a digestão. Se você gostar destes trechos, aproveite para ler o texto todo aqui.

 

 

EDUCAÇÃO APÓS AUSCHWITZ

Theodor Adorno
Tradução:
Wolfgang Leo Maar

A exigência que Auschwitz não se repita é a primeira de todas para a educação. De tal modo ela precede quaisquer outras que creio não ser possível nem necessário justificá-la.”

Quando falo de educação após Auschwitz, refiro-me a duas questões: primeiro, à educação infantil, sobretudo na primeira infância; e, além disto, ao esclarecimento geral, que produz um clima intelectual, cultural e social que não permite tal repetição; portanto, um clima em que os motivos que conduziram ao horror tornem-se de algum modo conscientes.”

Penso até que a desbarbarização do campo constitui um dos objetivos educacionais mais importantes. Evidentemente ela pressupõe um estudo da consciência e do inconsciente da respectiva população. Sobretudo é preciso atentar ao impacto dos modernos meios de comunicação de massa sobre um estado de consciência que ainda não atingiu o nível do liberalismo cultural burguês do século XIX.

Para mudar essa situação, o sistema normal de escolarização, freqüentemente bastante problemático no campo, seria insuficiente. Penso numa série de possibilidades. ”

Mas aquilo que gera Auschwitz, os tipos característicos ao mundo de Auschwitz, constituem presumivelmente algo de novo. Por um lado, eles representam a identificação cega com o coletivo. Por outro, são talhados para manipular massas, coletivos, tais como os Himmler, Höss, Eichmann.”

Finalmente, o centro de toda educação política deveria ser que Auschwitz não se repita. Isto só será possível na medida em que ela se ocupe da mais importante das questões sem receio de contrariar quaisquer potências. Para isto teria de se transformar em sociologia, informando acerca do jogo de forças localizado por trás da superfície das formas políticas. Seria preciso tratar criticamente um conceito tão respeitável como o da razão de Estado, para citar apenas um modelo: na medida em que colocamos o direito do Estado acima do de seus integrantes, o terror já passa a estar potencialmente presente. ”

Eis um importante objetivo da educação: evitar a barbárie. Não ajudar a produzir as causas da violência extrema entre seres humanos. Isto já nos dá o que pensar.

Alguns trechos merecem um pouco mais atenção, como a questão do "nível de consciência".

Mas por enquanto, creio que já seja suficiente. Como diria o mestre Maurício Mugilnik, vamos dormir com estas questões e ver como acordamos amanhã. Se você tiver alguma resposta a questão “pra que serve a educação?”, aproveite para deixar seu comentário abaixo.

 

 


Página 16 de 16



Para que serve a educação?
 

Selecione uma palavra-chave

Artigos mais lidos desta categoria

Educação para a democracia: alguns princípios

Por que educar?
“Um esforço sempre presente à prática da autoridade coerentemente democrática é o que a torna quase escrava de um sonho fundamental: o de persuadir ou convencer a liberdade de que vá construindo cons...(85188)

O que é bioética?

Cidadania
"Ética é uma palavra de origem grega, com duas origens possíveis. A primeira é a palavra grega éthos, com e curto, que pode ser traduzida por costume, a segunda também se escreve éthos, porém com e l...(83665)

Veja a nova grade curricular de São Paulo (2012)

Políticas públicas de educação
A grade curricular do estado de São Paulo sofreu algumas alterações para o ano de 2012. A última mudança havia sido feita em 2008. Só pra ressaltar, esta grade é obrigatória apenas para as escolas es...(67194)

Qual é o melhor método de ensino?

Métodos de ensino
A questão da metodologia na educação tem sido muito discutida. Devemos ter uma escola tradicional ou construtivista? Engraçado como gostamos de dividir o mundo em dois, quando na verdade há incontáve...(49851)

Lei do bônus para professores em São Paulo (texto completo da lei complementar 1078/08)

Políticas públicas de educação
Há poucos dias Serra sancionou a chamada "lei do bônus". Antes de qualquer análise ou comentário, vamos disponibilizar o texto todo da lei. Encontrá-lo na rede não é tão fácil quanto deveria ser num ...(49299)